7 dicas essenciais para manter o engajamento de equipes em regimes remotos e híbridos

ProMoveGamification7 dicas essenciais para manter o engajamento de equipes em regimes remotos e híbridos

Quando falamos acerca de trabalhos remotos ou híbridos, automaticamente essa ideia é associada aos benefícios de um home office, a flexibilidade obtida ao se trabalhar de casa e a liberdade que isso promove. O que não é enxergado é que isso é apenas uma pequena gota em meio a um grande oceano. 

Trabalhar com equipes distribuídas é abraçar uma série de novos hábitos, práticas e tecnologias que facilitam a comunicação, fortalecem a visibilidade dos projetos e impactam a produtividade individual. 

Felizmente, se sua empresa não trabalha de forma remota atualmente, essas práticas continuam a te ajudar a criar equipes mais fortalecidas e conectadas, mesmo presencialmente.

Neste artigo, trataremos sobre 7 estratégias que podem ser adotadas para a criação de equipes mais interligadas, contínuas e engajadas em trabalhos remotos ou híbridos.

1 – Usar a comunicação assíncrona como aliada

Quem nunca passou por aquele momento em que a sua concentração está super alta ao realizar alguma atividade e, de repente, vem aquele monte de mensagens de algum colega requerendo alguma informação, perguntando sobre alguma parte do projeto ou simplesmente puxando assunto? 

Ao nos depararmos com essas situações corporativas, chegamos a conclusão de que o imediatismo e a comunicação instantânea, em muitas situações, não são bons aliados da produtividade. 

Por isso, é necessário a adoção de alguns meios de comunicação menos instantâneos e mais resguardados. 

A comunicação de forma assíncrona é respeitosa, empática e desenvolve a produtividade. A interação fica disponível para ser continuada no melhor momento possível, cumprindo os limites e espaços de cada um. 

2 – Faça acompanhamentos (checkpoints) frequentes

Alinhamentos frequentes são necessários para compreender em como e o que está acontecendo no andamento do projeto.

Entender as responsabilidades de cada um e, principalmente, quais as causas que têm impedido o prosseguimento das tarefas é essencial para o desempenho de uma equipe conectada. 

Não é nada interessante planejar reuniões sem ter se preparado e sem ter um objetivo definido. É muito importante que essas reuniões sejam curtas, objetivas e sempre com o foco bem definido. 

Metodologias como essas economizam tempo e trazem eficácia a todas as situações mais complexas. 

3 – E-mail não!

E-mails não são agradáveis para juntar e disponibilizar o contexto da conversa, nem para acompanhar a discussão de forma estruturada e organizada. É fácil que a conversa fuja em algum momento. Se alguém não está devidamente interligado, já causa uma série de interrupções na comunicação.

Utilize uma ferramenta que estruture e permita uma discussão a qualquer um que deseje entrar na discussão, entendendo onde iniciou e como se deu o prosseguimento do assunto. Uma boa ferramenta para isso é o Slack

4 – Dividindo para conquistar!

A existência de muitas pessoas em um projeto traz muita complexidade na comunicação interna e externa à equipe. Uma ótima estratégia para amenizar essa situação é quebrar um grupo grande em subgrupos, mantendo poucas pessoas trabalhando de perto e altamente alinhadas conforme as tarefas estabelecidas.

Conforme o projeto vai evoluindo, o progresso vai sendo disponibilizado às outras equipes em forma de updates. Dessa maneira, a agilidade é garantida e objetivada na tomada de decisões.

5 – Utilize ferramentas de colaboração online

É incrível fazer sessões de co-criação e gerar ideias em grupo. O trabalho colaborativo é muito interessante e são dessas comissões que nascem grandes soluções. 

Levando isso para o ambiente corporativo online, é imprescindível ter tudo anotado/documentado fixamente para consultas, para a colaboração de outras pessoas e, principalmente, para dar continuidade ao que foi desenvolvido. Isso é válido também para revisões de textos, trabalhos visuais e as demais outras atividades.

6 – Respeite os horários de cada um!

Apesar de estarmos condicionados ao cumprimento de um  horário “comercial”, há uma disparidade muito grande no que diz respeito às rotinas de cada um. Cada pessoa tem um contexto de vida, um meio e hábitos específicos de sua identidade. 

Acreditar nisso é permitir que as pessoas sejam mais completas em seu ambiente de trabalho, e que tenham a liberdade para ter o controle sobre a sua própria vida. Isso resulta em muitos benefícios dentro de uma corporação e tem como consequência uma produtividade bem maior e menos forçada. 

7 – Incentive a autogestão

Dê a liberdade para que as pessoas invistam no melhor de si e da maneira que quiserem. Dê autonomia e flexibilidade para que elas consigam colocar isso em prática. Lance metas e desafios ao invés de aplicar tarefas!  

As pessoas têm mais motivação para participar de trabalhos que elas mesmas desenvolvem. A autonomia só funciona acompanhada de muito alinhamento, para que a gente de fato esteja caminhando para uma mesma direção.

Todas essas estratégias são concernentes ao trabalho remoto, mas isso pode ser aplicado às equipes presenciais, resultando em benefícios visíveis de ter se apropriado dessa forma de executar seu trabalho. Assim, com essas práticas estabelecidas, a corporação não terá o menor problema em um dia que alguém, por algum motivo, não puder estar no escritório. 

O ambiente se torna mais dinâmico à medida que o escritório não termina nos limites daquela parede, mas já ganhou uma dimensão atemporal e não-geográfica.

Seguindo essas práticas é bem provável que você e sua equipe já estejam trabalhando remotamente, mas sem sair do escritório. Mergulhar no mundo distribuído será apenas uma questão de opção.

Pense em tudo isso como uma oportunidade de adquirir estratégias para o seu negócio! 

Gostou do nosso conteúdo? Leia também Home Office! Como trabalhar em casa sem perder produtividade?

About the author

Consultor em Melhoria de Processos na ProMove. Doutor em Engenharia de Sistemas e Computação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2010), Mestre em Engenharia de Sistemas e Computação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2003) e graduado em Ciência da Computação pela Universidade Federal da Bahia (2000). Possui experiência em melhoria de processos, gerência de projetos e coordenação de equipes de consultoria. É consultor na implantação de processos aderentes aos modelos de qualidade CMMI e MPS. Atuou na concepção/desenvolvimento de um framework na linguagem .Net. É certificado ITIL v3 Foundation. É instrutor credenciado dos cursos de capacitação do modelo MPS. É implementador credenciado do modelo MPS para Software e MPS para Serviços. É avaliador líder experiente do modelo MPS para Software e Serviços. É avaliador líder do modelo CERTICS.