Metodologias Ágeis: Qual utilizar no desenvolvimento de Software?

ProMoveAgilidadeMetodologias Ágeis: Qual utilizar no desenvolvimento de Software?
Metodologias Ágeis

O uso de metodologias ágeis têm sido um tema cada vez mais frequente em discussões sobre gerenciamento de projetos e tem se tornado uma ferramenta e modo de pensar indispensável no cotidiano das empresas que desejam formas mais leves e produtivas de trabalhar

Isso porque, nos últimos anos, com o aumento da demanda do mercado de tecnologia, surge a necessidade de métodos de organização que vão além do simples cumprimento de processos para entrega de resultados. 

Embora tenha surgido da engenharia de software, que antes se utilizava (de modo adaptado) das mesmas metodologias da indústria manufatureira, as metodologias ágeis também ganharam espaço e provaram eficácia em outras áreas do mercado, como finanças, marketing, vendas e entre outros. 

Porém, diferentemente da indústria manufatureira, a indústria de software é dinâmica, abstrata e interativa, logo, necessita de métodos de organização correspondente, que considerem além do aspecto mecânico, o aspecto criativo e humano, característicos do desenvolvimento de sistemas.

Nesse artigo compilamos as principais metodologias ágeis utilizadas no desenvolvimento de software e fazemos um comparativo do uso de cada uma. Continue a leitura e conheça qual metodologia ágil pode ser mais compatível com o seu processo de desenvolvimento de software.

O modo ágil de ser

Foi a partir da necessidade de se pensar em maneiras rápidas e assertivas de executar um projeto e gerar valor que as metodologias ágeis surgiram. Para além de uma metodologia ou ferramenta, a visão ágil deve ser a forma de pensar e viver da empresa, guiando seus princípios e valores. 

Tais aspectos fazem parte dos princípios estabelecidos no manifesto ágil, criado em 2001 por um grupo de gerentes de projetos interessados em discutir e implementar novas abordagens na organização e execução dos trabalhos, as quais se destacam:

  • Interação e comunicação: Focar nas pessoas e no modo como interagem e se comunicam. Menos técnica/processo e mais organicidade/naturalidade.
  • Funcionalidade e praticidade: Foco no funcionamento do software, em vez de documentações extensas.
  • Produtividade: O ritmo constante na entrega de resultados melhora a produtividade
  • Colaboração: A relação cliente e equipe não é apenas uma negociação de contratos, mas um trabalho colaborativo para alinhamento de ideias e expectativas. 
  • Adaptabilidade contínua e feedbacks: As mudanças nos requisitos devem ser vistas como positivas, pois ser flexível e adaptável faz parte do processo e aumenta o valor competitivo.

Por que usar uma metodologia ágil?

Empresas que adotam tais visões se destacam no mercado, uma vez que pensar ágil melhora a colaboração entre clientes e equipe, reduz os riscos, economiza recursos e promove flexibilidade nas mudanças de alternativas.

Existem inúmeros métodos ágeis disponíveis atualmente, e a escolha do mais adequado para o seu projeto pode fazer toda a diferença, pois não adianta escolher o método mais eficaz, genericamente falando, se esse não atende as necessidades do seu projeto e não se alinha com os princípios da organização. 

Por isso, o método mais adequado é aquele que mais se alinha ao seu tipo de equipe, ao tamanho e à cultura da empresa.

A seguir, organizamos as características dos 5 principais métodos que seguem a mentalidade ágil, as vantagens e desvantagens e os tipos de projetos aos quais podem ser incorporados. Acompanhe a seguir.

Scrum

As principais características do framework Scrum são:

  • O escopo do trabalho é dividido em partes menores.
  • Resolução de problemas adaptativos e complexos, com entrega de produtos de maior valor possível de forma produtiva e criativa.
  • Processo iterativo e incremental orientado a recursos.
  • A equipe é composta por um líder de projeto (Scrum Master), o solicitante (Product Owner) e a equipe desenvolvedora (Scrum Team).
  • Composição das tarefas em listas de prioridade (Backlog).
  • Intervalo de tempo de desenvolvimento (Sprints) é curto (máximo 4 semanas).
  • Revisão das atividades e feedbacks em cada final de sprint até finalizar todo o backlog.

VANTAGENS

  • Transparência: Todos acompanham o andamento do projeto.
  • Qualidade: Foco na redução de erros.
  • Flexibilidade: Possibilidade de reorganização das atividades, dando atenção às sprints mais importantes.
  • Leveza: Foco na eliminação de desperdício.
  • Simplicidade e praticidade: prevê mudanças e erros, aumenta o controle de risco.

DESVANTAGENS

  • O contato com apenas partes do projeto pode fazer a equipe perder a visão do todo.
  • As tarefas precisam estar bem definidas. Do contrário, haverá confusão entre os membros da equipe.
  • Exige bastante coragem, foco, abertura e respeito por parte da equipe para cumprir os objetivos do projeto.

ONDE APLICAR?

  • Em equipes pequenas trabalhando em projetos complexos de longo prazo, como desenvolvimento de software, por exemplo.
  • Projetos em que não se pode estimar exatamente a quantidade de trabalho ou a data prevista para lançamento não é fixa.

Kanban

O Kanban é um sistema enxuto desenvolvido pela Toyota para manufatura. Baseia-se nos princípios de visualização do trabalho e limitação do trabalho em andamento para melhorar o fluxo. Recentemente, foi aplicado ao desenvolvimento de software, o que não o torna exatamente uma metodologia de desenvolvimento ágil.

O desenvolvimento ágil de software conforme descrito no manifesto ágil ou em frameworks como Scrum e XP veio para resolver outros tipos de problemas. Os principais tópicos abordados pelo Agile são a interação constante com o cliente, a resposta a mudanças e o aprimoramento da interação da equipe. 

Tanto o Kanban quanto o Scrum têm suas origens no pensamento Lean. O Lean é o conjunto de princípios por trás do Sistema Toyota de Produção, mas ambas as metodologias têm um reconhecimento implícito de que o desenvolvimento de software tem mais semelhanças com o desenvolvimento de produto do que com a produção. Devido a massiva adoção do Kanban para o desenvolvimento de software e necessidade de adaptação da metodologia, surgiu o Scrumban como método híbrido. Scrumban é quando Scrum e Kanban são aplicados juntos nos projetos e são usados para a manutenção de diferentes aplicativos.

O Kanban sugere limites na quantidade de trabalho em andamento, permitindo que as restrições sejam tratadas. O Scrum incentiva a colaboração, causando menos trabalho em andamento. Scrum usa velocidade e estimativa, o que pode ajudar a evitar que as métricas em torno da produtividade se tornem alvos. Kanban usa lead e tempo de ciclo, vinculando suas medições a alvos valiosos que são difíceis de controlar.

Os itens de trabalho são visualizados para dar aos participantes uma visão do progresso e do processo, do início ao fim, geralmente por meio de um quadro Kanban. O trabalho é puxado conforme a capacidade permite, em vez de o trabalho ser empurrado para o processo quando solicitado.

No trabalho do conhecimento e no desenvolvimento de software, o objetivo é fornecer um sistema de gestão visual de processos que auxilie na tomada de decisões sobre o quê, quando e quanto produzir.Recentemente, ele começou a ser reconhecido por unidades de negócios em vários setores.

As principais características do framework Kanban são:

  • Abordagem visual do fluxo do processo, por meio de quadros ou cartões de visualização (classificados em “fazer”, “em andamento” e “concluído”), os quais mudam de posição à medida que o processo evolui. O Trello é um exemplo de ferramenta que pode apoiar essa metodologia.
  • Prioriza a natureza e andamento do trabalho (Não foca em como a tarefa deve ser executada). 
  • Execução de pequenas partes de atividades conforme a demanda.

VANTAGENS

  • Colaboração constante e aprendizado contínuo.
  • Visualização de todas as tarefas e etapas do projeto, o que facilita o foco sobre as prioridades e situação de cada atividade.
  • Melhora o acompanhamento e controle das tarefas.
  • Movimentação contínua das entregas.

DESVANTAGENS

  • Possibilidade de má interpretação das tarefas.
  • Falta de estabelecimento de prazos.
  • Exige engajamento da equipe no acompanhamento contínuo das tarefas para a execução adequada.

ONDE APLICAR?

  • Em qualquer tipo de projeto que não precise focar no modo de execução, mas apenas na orientação dos status das tarefas.
  • Projetos complexos com várias etapas de conclusão.

Extreme Programming (XP)

Extreme Programming (XP) é uma estrutura ágil de desenvolvimento de software que visa produzir software de alta qualidade e maior qualidade de vida para a equipe de desenvolvimento. XP é a mais específica das estruturas ágeis em relação às práticas de engenharia apropriadas para o desenvolvimento de software.

As principais características do framework Extreme Programming (XP) são:

  • Possui como princípios: a uniformidade, comunicação, feedback, resistência, coragem e respeito.
  • Motiva a equipe de desenvolvedores a se alinhar com as mudanças solicitadas pelos clientes.
  • Foca nas entregas de curto prazo.
  • Executa um pequeno número de práticas de engenharia de software ao nível mais alto, executadas do modo mais rápido possível.
  • São usadas práticas de teste, reestruturação, integração contínua e programação em pares (dois desenvolvedores trabalhando no mesmo código).

VANTAGENS

  • Simplicidade do código escrito.
  • Metas de curto prazo e resultados mais rápidos.
  • Testes constantes no software proporcionam maior rapidez na conclusão.
  • Maior retenção e aprimoramento das equipes.
  • Feedback contínuo do cliente.

DESVANTAGENS

  • Mais foco no código pode gerar menos atenção ao design.
  • Necessidade de manutenção de registros de possíveis erros para agilizar a resolução de bugs futuros.
  • Exige bastante flexibilidade e boa comunicação entre a equipe para cumprir os objetivos do projeto.

ONDE APLICAR?

  • Em equipes pequenas que trabalhem em conjunto com os gerentes e clientes
  • Em equipes com desenvolvedores experientes na criação de testes funcionais.

Crystal

Crystal é uma estrutura ágil com foco em indivíduos e suas interações, em oposição a processos e ferramentas. Em outras palavras, essa estrutura é uma consequência direta de um dos valores centrais articulados no Manifesto Ágil.

A estrutura ágil do Crystal é construída em duas crenças principais:

  • As equipes podem encontrar maneiras por conta própria de melhorar e otimizar seus fluxos de trabalho.
  • Cada projeto é único e está sempre mudando, e é por isso que a equipe desse projeto é a mais adequada para determinar como vai lidar com o trabalho.

As principais características do framework Crystal são:

  • Reúne várias classes menores de metodologias ágeis que incluem o Crystal Clear, Crystal Yellow, Crystal Red e outros. Os parâmetros de cada um consideram a quantidade de pessoas envolvidas e o nível de criticidade do projeto.
  • A interação e comunicação das pessoas envolvidas no projeto, bem como o senso de colaboração, habilidades e talentos são fatores que trazem inúmeros benefícios à execução do projeto.
  • A criticidade dos projetos é definida com base em quatro níveis: Confort (C), quando há falhas que prejudicam o conforto do usuário. Dinheiro Discricionário (D), o risco de baixo impacto financeiro. Dinheiro Essencial (E), quando há riscos de perdas financeiras indispensáveis e Vida (L), para os riscos que podem ocasionar a perda de vidas.

VANTAGENS

  • Entregas frequentes.
  • Espaços para melhorias e feedbacks para aperfeiçoamento.
  • Comunicação constante e mais estreita entre os membros da equipe.
  • Segurança, pois lida com níveis de criticidade dos sistemas.
  • Testes automatizados e integração.

DESVANTAGENS

  • Os projetos podem se tornar complexos, devido a existência das variantes do método.

ONDE APLICAR?

  • Em projetos de alta ou baixa criticidade.
  • Em projetos com poucos ou muitos membros.
  • Em projetos que lidam com níveis de criticidade.

Considerações Finais

Como você deve ter percebido, existem diversas metodologias ágeis disponíveis ao seu favor. O desafio das empresas é entender como tirar proveito das metodologias ágeis de acordo com sua cultura empresarial e os desafios apresentados pelo mercado.

Para isso, é importante entender que as metodologias apresentam diversas ferramentas e processos que podem ser combinados e integrados de acordo com as necessidades de cada projeto. Se interessou pelo assunto, que tal conferir 5 dicas para manter a agilidade dos processos?

About the author

Sócio-Fundador da ProMove - Business Innovation, empresa que presta consultoria em melhoria de processos de software em organizações de todo o Brasil. Trabalho com TI desde 2003, quando fiz parte do grupo de qualidade da COPPE-UFRJ. Já fui desenvolvedor .Net, C# e atualmente ajudo empresas que desejam melhorar sua cultura de engenharia de software para obter maior produtividade e qualidade em suas entregas de software ou de serviços de TI. Também sou especialista em modelos de maturidade e qualidade como CMMI, MPS.Br, ISO, CERTICs e entusiasta de métodos ágeis e de produção enxuta como Lean e Kanban.