Montar um Plano de governança de dados: 6 dicas importantes

ProMoveBest practicesMontar um Plano de governança de dados: 6 dicas importantes
plano de governança de dados

Você sabia que apenas 3% das empresas trabalham com níveis satisfatórios de governança de dados? Essa informação é de um artigo publicado pela Harvard Business Review e pode ser bastante preocupante. Isso porque a Lei nº 53/2018, a lei de proteção de dados, trata sobre a segurança das informações pessoais.

O plano de governança de dados, além de impactar positivamente na produtividade de uma empresa, é um dever de entidades públicas e privadas. Qualquer informação identificável deve estar protegida. Em resumo, podemos dizer que tanto o governo quanto as empresas podem coletar e tratar dados, mas devem deixar claro aos usuários o que está sendo coletado e com quem essas informações serão compartilhadas.

Para trabalhar em favor da empresa e do usuário, é preciso que as empresas mapeiem seus processos, tenham diretrizes e regras para serem seguidas, respeitando a lei e valorizando a liberdade que tem para o uso de dados.

Contudo, como implementar isso em uma empresa? Para ajudar você, preparamos, este post, com as informações mais importantes sobre o assunto. Também, listaremos 6 dicas incríveis para você implementar a governança de dados de uma vez por todas. Confira!

Como funciona o plano de governança de dados

A governança de dados é a gestão de regras, procedimentos, colaboradores e tecnologias, que tem finalidade de coordenar e proteger as informações dentro de uma empresa.

Com a governança, os dados devem ser tratados sob regras de conduta conhecidas por todos os colaboradores de uma empresa. Essas normas devem ser reunidas em um manual de fácil acesso e disponibilidade.

Além da proteção dos usuários, a governança ajuda os gestores a tomarem decisões e a aprimorarem as tarefas operacionais. O resultado é mais produtividade e, consequentemente, maior lucro. O ideal é que a empresa trabalhe com ferramentas que possibilitem o controle simultâneo de dados.

É importante que a gerência de uma companhia entenda que os dados estão diretamente relacionados ao trabalho, ou seja, se existir uma má governança, nada funcionará de maneira satisfatória.

Como preparar a empresa

Antes de conferir as dicas de implementação de uma governança de dados em uma companhia, é preciso preparar os ambientes. É necessário saber que, quanto mais setores e filiais têm uma empresa, mais difícil é a gestão da informação institucional. Apesar disso, existem formas de facilitar o processo e garantir uma governança de dados satisfatória.

Você deve se certificar de que exista um plano bem definido para adotar a técnica. Uma dica é ter uma lista de procedimentos bastante objetiva e nominar um conselho para as decisões mais importantes. 

Fique atento para capacitar seus colaboradores e para que eles entendam, verdadeiramente, que a informação tem muito valor e que protegê-la é benéfico para a empresa.

Como implementar uma gestão de dados eficiente

Agora, que você entende a importância da governança de dados e como você deve “preparar o terreno”, é hora de partir para a prática. Vamos abordar, abaixo, 6 dicas para você atender à legislação e proteger as informações da sua companhia.

1. Crie um conselho

O primeiro passo para criar um plano de governança de dados, é formar um conselho dentro da empresa. Um governador deverá ser nomeado. Será esse o profissional responsável por todos os aspectos das informações.

Esse colaborador também deverá criar um conselho, que será responsável por criar as regras, as políticas e as formas de reportar. Tudo deve estar em um manual para organizar as diretrizes da empresa e para que seja um recurso de consulta.

2. Analise em qual situação a empresa se encontra

Vocês têm um conselho responsável pela governança de dados? Ótimo! Então é hora de estudar a situação da companhia. Revejam quais as práticas atuais e como elas podem ser melhoradas.

Vejam qual o nível de segurança e de governança de dados e avalie tudo com bastante critério. Uma dica para esse momento é utilizar uma metodologia de avaliação.

Treine os colaboradores do conselho para que consigam utilizar a melhor estratégia de análise e documentem todos os dados da situação da empresa.

3. Defina uma estratégia

Uma vez esclarecida a situação da governança de dados da empresa, o conselho deve começar a montar uma estratégia. Reúna todos os integrantes e pensem como a companhia deverá tratar suas informações nos próximos anos. Criem metas atingíveis e não se esqueçam de acompanhar os processos, ou todo o trabalho estará perdido.

Priorizem, agora, quais áreas serão analisadas primeiro. Normalmente, o conselho decide por estudar os setores mais fáceis, como marketing e comunicação. Isso deve ser feito para que sejam gerados resultados positivos de forma mais rápida.

4. Defina o SLA da forma correta

SLA quer dizer Acordo de Nível de Serviço (Service Level Agreement, em inglês). Esse é o nome dado às definições corretas de quais serão as obrigações de cada profissional de TI (Tecnologia da Informação).

Isso é importante para que não haja ruído de informações e falhas de comunicação. Importante lembrar de que esses problemas podem ser verdadeiros entraves em um plano de governança de dados. Para que o SLA seja eficiente, detalhe os prazos, as metas de desempenho e a disponibilidade dos serviços. 

5. Utilize as informações da forma correta

Não adianta ter em mãos todas as informações, se você não sabe o que fazer com elas. Por isso, nessa etapa, garanta que todos os dados estejam disponíveis. 

Organize os dados e veja, junto ao conselho, qual a melhor forma para ela ser apresentada: sozinha, em sequência ou em blocos. O importante, aqui, é que as informações estejam disponíveis e organizadas. Feito isso, calculem o valor da informação. Lembre-se de que só é possível otimizar algo cujo valor é claramente conhecido.

Não é, de fato, a etapa mais fácil do plano de governança de dados, mas é realmente muito importante. Aos poucos a empresa conseguirá atribuir valor a algo que não é palpável, então não se preocupe tanto.

6. Monitore os resultados e os riscos

Essa é uma das partes mais importantes do plano de governança de dados. Estude o que foi feito e veja se suas metas foram atingidas. Com essa análise, você conseguirá ver se precisa fazer uma melhoria de processos para otimizar a rotina e os resultados.

No entanto, esse monitoramento deve ser constante. As companhias mudam muito e, consequentemente, suas informações também. É preciso entender que ter um plano eficaz de governança de dados, além de atender à legislação, ainda ajuda a empresa a reter clientes, diminuir os custos e aumentar a produtividade. 

Você terá bons resultados se tiver traçado processos claros e definidos, por isso, concentre-se em todas as etapas descritas aqui. Um plano de governança de dados, hoje, além de obrigatório, é essencial para o sucesso de uma companhia — seja ela pública ou privada.

Proteger os dados institucionais, dos colaboradores e dos usuários de seus produtos é essencial para crescer no mercado, gerar confiança e estabelecer metas.

O ideal é contar com a ajuda de uma empresa de consultoria em serviços de TI. Nós, da ProMove Business Innovation, podemos ajudar no seu plano de governança de dados. Quer saber tudo o que podemos fazer por você? Entre em contato conosco e conheça nosso trabalho.

Sobre o Autor

Mestre em Sistemas de Informação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2013-2015). Graduado em Ciência da Computação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2012). Atua desde 2011 em projetos de consultoria em melhoria de processos de gestão e engenharia de software. É implementador certificado do modelo MPS para Software e Serviços e avaliador adjunto do MPS para Software.